quarta-feira, 17 de maio de 2017

 A DOR!

“Um dos maiores desafios da jornada humana é sentir, ou melhor: lidar com aquilo que sente. Somente a disposição para enfrentar as dores existenciais que nos habitam podem curar a humanidade, pois são essas dores que geram a nossa insanidade. Não é insano matarmos uns aos outros? Não é insano destruirmos nosso planeta? Não é insano poluir rios, poluir a terra? Não é insano destruirmos nossa fonte de vida? Na minha visão tudo isso é insano, mas trata-se de uma insanidade produzida pela dor inconsciente que carregamos.

De tão desafiador que é sentir e lidar com os sentimentos, acabamos nos colocando dentro de uma armadura. Criamos um muro entre nós e o mundo e nos tornamos insensíveis, porque esse muro nos impede de sentir. E nós fazemos isso porque, em algum nível, existe a ideia de que sentir é muito perigoso. Em algum momento de nossa historia passamos por experiências dolorosas e difíceis de suportar e com isso precisamos amortecer a dor. Então erguemos um muro que é construído com muitos sentimentos: orgulho, medo, vingança, ódio, racionalização e diversos outros mecanismos de defesa. Em algum momento precisamos retirar a armadura e ficar vulneráveis para lidar com os sentimentos. Esse aprendizado é necessário ao processo evolutivo, porque você só pode sustentar o êxtase se conseguir suportar a tristeza, o canal de sentir é o mesmo!

Certa vez alguém disse que emoções são como cavalos selvagens. Elas são indomáveis, e os sentimentos são como corredeiras de água que você não controla e não sabe para onde irão levá-lo. Mas, em algum momento você terá que lidar com isso!

Para enfrentar a dor e lidar com os sentimentos negados, é preciso ter um tanto de humildade e de coragem. Humildade para admitir que realmente as coisas não foram fáceis, mas faça isso sem redimensionar a dor, sem fantasiar e cair no vitimismo. E a coragem para encarar tais dores, pois o fato de estar acomodado não significa que não dói. Identificar nossos distúrbios, preocupações e loucuras é o primeiro passo. No entanto, entre a identificação da doença e a cura há um caminho por vezes longo. Portanto além de humildade, é necessário ter comprometimento, coragem e firmeza para se libertar das defesas e desconstruir o muro.

Por isso tenho dito que a maior conquista da humanidade não diz respeito aos avanços científicos, mas sim à capacidade de identificar o que foi negado e de aprender a lidar com a natureza sombria. Devido à inabilidade que temos para trabalhar com isso, simplesmente tiramos esses sentimentos do nosso campo de visão, amortecemos e desenvolvemos máscaras. Ao mesmo tempo que existe a necessidade de aprender e crescer através do sofrimento, há também uma incapacidade de lidar com a dor. Esse paradoxo tem gerado um sofrimento desnecessário, por isso eu digo que se algo de real valor nesse mundo é o autoconhecimento. Esse é o caminho!”

(Srim Prem Baba- Propósito: A coragem de ser quem somos).
  

quinta-feira, 20 de abril de 2017



Querido Osho, Eu sou um advogado. Eu não sei como meditar e estou ocupado todo o tempo. Por favor, poderia me sugerir o que fazer?

- É importante compreender isto, porque todos os professores de meditação no mundo dizem que você tem que separar um tempo para meditação. Os muçulmanos têm que meditar cinco vezes ao dia. Por cinco vezes eles devem fechar suas lojas, seus negócios, se forem realmente muçulmanos. Mas isto é absolutamente impraticável. Se o homem está dirigindo um trem ou viajando num avião, e se tiver que parar cinco vezes, isto não vai ser meditação, isto vai ser um massacre!
Minha abordagem para meditação é totalmente diferente. Eu não lhe digo que você tem que ter um tempo separado para meditação. Meditação deve ser exatamente como a respiração. Você não tem um tempo separado para ela, de modo que pela manhã você respira e depois vai para seu trabalho e esquece de respirar. Você segue fazendo suas coisas e continua respirando.
Meditação deve ser alguma coisa que corre como uma subcorrente (*) ao longo de todas as atividades de seu dia. Eu vou lhe sugerir uma meditação simples. Não interessa o que você estiver fazendo – pode estar cavando um buraco na terra, plantando novas roseiras em seu jardim, trabalhando em sua loja ou defendendo uma causa no tribunal de justiça. O que você estiver fazendo, faça com toda consciência, faça com atenção total.

Eu lhe direi o que significa isto. Certa vez Buda estava passando por Shrivasti com seu discípulo mais querido, Ananda. Uma mosca veio e pousou em sua testa. Exatamente como nós faríamos, ele simplesmente abanou sua mão e a mosca se foi. Então ele parou e levou sua mão muito cuidadosamente e conscientemente. A mosca não estava mais lá, mas ele abanou sua mão com grande graça. Ananda não conseguiu entender o que estava acontecendo. Ele disse, ‘A mosca estava ali há poucos instantes mas ela já se foi. Agora, o que você está fazendo?’
E Buda disse, ‘Daquela vez eu fiz errado, eu fiz sem consciência. Eu continuei conversando com você e mecanicamente eu levantei minha mão, sem estar consciente do que estava fazendo. Agora eu estou fazendo da maneira como deveria ter feito da primeira vez, para me lembrar de que isto não deve acontecer de novo.’

Qualquer ação feita com consciência se torna meditação. No começo será difícil, você vai se esquecer várias vezes. Mas não se desencoraje. Mesmo se em vinte e quatro horas você conseguir estar consciente por vinte e quatro segundos, isto já é mais do que o suficiente, porque o segredo é o mesmo. Se você conseguir por um segundo, você já terá conhecido a chave, você terá descoberto o jeito. Então é só uma questão de tempo. Aos poucos haverá espaços maiores em que você estará consciente. A ação continua; e não apenas continua, ela se torna melhor do que era anteriormente, porque agora você está fazendo com muita consciência. A qualidade do que você faz muda porque você está consciente, está totalmente presente, sua intensidade muda, o seu insight, a sua compreensão e as suas ações começam a ter uma graça própria.

A meditação deve se espalhar pouco a pouco por toda a sua vida. Mesmo quando for dormir, ao deitar em sua cama, tenha alguns minutos para si quando for dormir. Nestes poucos minutos, esteja alerta – quanto ao silêncio, à escuridão, ao corpo relaxado. Permaneça alerta na medida em que o sono começa a chegar em você, até o ponto de estar completamente dominado pelo sono. E você ficará surpreso porque se você continuar alerta até o último momento quando o sono toma conta, de manhã, o primeiro pensamento será novamente sobre consciência. Qualquer que seja o último pensamento antes que você durma, é sempre o primeiro de manhã, quando você acorda, porque ele continua como uma subcorrente ao longo do seu sono.

Você não consegue encontrar tempo, ninguém consegue. O dia está muito cheio. Mas seis ou oito horas durante a noite podem ser transformadas em meditação. Mesmo um Buda ficará com inveja de você. Mesmo ele não consegue meditar oito horas. É simplesmente um esforço inteligente para transformar o seu sono. Ao tomar um banho, por que não fazê-lo com consciência? Por que fazê-lo mecanicamente? Fazer feito um robô, porque você faz todos os dias, acaba se tornando mecânico. Faça tudo não mecanicamente e aos poucos a meditação não será uma questão que necessite separar um tempo. Ela se tornará espalhada por todo o seu dia, vinte e quatro horas. Somente então você estará no caminho certo.
As pessoas que meditam dez minutos pela manhã, não estão alcançando muito. Porque são dez minutos de meditação e vinte e quatro horas contra a meditação – quem você acha que vai vencer? Você tem que jogar o peso de vinte e quatro horas de meditação contra vinte e quatro horas de vida comum. Então haverá a garantia absoluta de que o sucesso será seu.”

(*) NT: Segundo o dicionário Aurélio, "subcorrente" é a corrente que existe sob a corrente superficial, o mais das vezes em direção oposta a ela.
OSHO – The Last Testament- Vol. 5 - Cap. 22 - Tradução: Sw. Bodhi Champak

Copyright © 2006 OSHO INTERNATIONAL FOUNDATION, Suiça.
Todos os direitos reservados...

quinta-feira, 6 de abril de 2017



Nesse mês participamos de um curso de Deeksha (Despertando na Unidade- com Sat Girish), onde vivenciamos essa ferramenta para trabalhar o despertar da consciência, devolvendo ao corpo um estado completo de relaxamento e descanso.
Gostaríamos de compartilhar com vocês um pouco sobre a Deeksha pelas palavras de seu fundador:

“Você NÃO deve viver com sentimentos de DEPRESSÃO, ANSIEDADE, TRISTEZA e IRRITABILIDADE, que interferem em sua capacidade natural de aproveitar a vida.

A maior parte dos desequilíbrios emocionais são resultados de necessidades nutricionais não satisfeitas, mau funcionamento do nosso cérebro, química do corpo e percepções inquestionáveis.

A ciência mostra hoje que cada EMOÇÃO tem uma REAÇÃO QUÍMICA correspondente ACONTECENDO no CÉREBRO.

Quando você vivencia emoções como medo ou estresse, o hipotálamo libera substâncias químicas e aminoácidos complexos chamados neuropeptídios que, posteriormente, são bombeados para a corrente sanguínea.

Estes neuropeptídios atingem os vários órgãos através do sangue. Eles atingem as células e se trancam nos receptores celulares.

Quando isso acontece, essas células se tornam imunes a qualquer forma de nutrição e alimentação.

Estas células se multiplicam para criar células NÃO saudáveis semelhantes.

É por isso que as pessoas com longas e prolongadas depressões muitas vezes revelam FALHAS ao seu médico. Nenhuma medicação ou tratamento FUNCIONA para elas.

O corpo, por natureza, foi projetado para experiências como o ÊXTASE, o AMOR e BEM-AVENTURANÇA. E também conhece o MEDO e a LUTA PELA SOBREVIVÊNCIA.

Indo para estes DESAFIOS só estamos provocando aquela química do cérebro que lida com EMOÇÕES como o MEDO, a SOLIDÃO e a FRUSTRAÇÃO.

O resultado é que o seu cérebro estará esgotado e provocará um desequilíbrio de transmissores e hormônios no sistema límbico. Consequentemente, você se tornará EMOCIONALMENTE REATIVO.

No entanto, é possível ativar as partes do cérebro que lidam com AMOR, HABILIDADE e SOLUÇÕES.

Pesquisas sobre a DEEKSHA revelam que ela ATIVA certas áreas do cérebro que não seriam possíveis mesmo após anos de meditação.

A DEEKSHA está provando ser uma ferramenta muito poderosa em DEVOLVER ao corpo um estado completo de SAÚDE, e à mente a um estado de RELAXAMENTO e DESCANSO.”

– Sri Bhagavan

Mais informações sobre a Deeksha você encontra em:






segunda-feira, 27 de fevereiro de 2017

A JORNADA INTERIOR







“Ao partir numa jornada, é claro que ajuda muito sabermos para onde vamos ou, ao menos, a direção geral que estamos tomando. Entretanto, não podemos esquecer de que a única coisa real sobre a nossa jornada é o passo que estamos dando neste exato momento. Isso é tudo o que existe. 


 Nossa jornada de vida tem um propósito externo e um interno. O propósito externo é o de alcançarmos o objetivo ou destino, realizarmos o que estabelecemos cumprir, adquirirmos uma coisa ou outra, o que, é claro, envolve o futuro. Mas, se o destino ou os passos que vamos dar no futuro tomam tanto nossa atenção que se tornam mais importantes do que o passo que estamos dando agora significa que perdemos completamente o propósito interno da vida, que não tem nada a ver com onde estamos indo ou com o que estamos fazendo, mas tudo a ver com o de que modo.


 Esse propósito interno não está relacionado com o futuro,
 e sim com a qualidade da nossa consciência no...

 O propósito externo pertence à dimensão horizontal de tempo e espaço enquanto o interno diz respeito ao aprofundamento do Ser na dimensão vertical do eterno Agora. Nossa jornada externa pode conter um milhão de passos enquanto a jornada interna só tem um, que é o passo que estamos dando neste exato momento. Quando tomamos maior consciência desse passo, percebemos que ele já contém dentro de si todos os outros passos, assim como o nosso destino

 Esse único passo se vê transformado em uma expressão da perfeição, um ato de grande beleza e qualidade. Ele terá nos levado para dentro do Ser e a luz do Ser brilhará através dele. “Este é tanto o propósito quanto à realização da nossa jornada interior: a jornada para dentro de nós mesmos.”


Eckhart Tolle

quarta-feira, 1 de fevereiro de 2017

Sinceridade e Autenticidade!

"Sinceridade significa autenticidade – ser sincero, não ser falso, não usar máscaras. Qualquer que seja o seu rosto verdadeiro, mostre-o, custe o que custar. Lembre-se: isso não significa que você tenha de desmascarar os outros; se eles estão felizes com as mentiras deles, compete a eles se decidir. Não saia desmascarando ninguém, porque as pessoas são como são... seja verdadeiro consigo mesmo. Não é preciso que você corrija ninguém no mundo. Se você puder crescer sozinho, será o bastante.

Não seja um reformador e não tente dar lições aos outros, não tente mudar os outros. Se você mudar a si mesmo, será o bastante como mensagem. Ser autêntico significa permanecer verdadeiro consigo mesmo. Como permanecer verdadeiro?

Lembre-se sempre de três regras:

Primeira regra:
Nunca dê ouvidos a ninguém quando dizem o que você deve ser. Ouça sempre a sua voz interior, o que você gostaria de ser; do contrário, vai desperdiçar sua vida inteira... Preste atenção: a coisa mais importante é o seu ser. Não deixe que os outros manipulem você – e eles são muitos; todo mundo está pronto para controlar você, para mudar você, para lhe dar uma orientação que você não pediu. Todo mundo quer ser o guia da sua vida. O guia existe dentro de você; você tem o plano. Ser autêntico significa ser sincero consigo mesmo...

O motivo pelo qual todo mundo parece tão frustrado é que ninguém ouve a própria voz... ouça sempre sua voz interior, e não ouça mais nada. Existem mil e uma tentações ao seu redor, porque muitas pessoas estão mascateando as suas coisas. É um supermercado; o mundo, e todo mundo nele está interessado em vender as próprias coisas a você. Todo mundo é um vendedor. Se der ouvidos a muitos vendedores, você vai ficar louco. Não dê ouvidos a ninguém, simplesmente feche os olhos e ouça sua voz interior. É para isso que existe a Meditação: para ouvir a voz interior.

A segunda regra mais importante: 

– só se você cumprir a primeira regra poderá cumprir a segunda


Nunca use uma máscara. Se estiver com raiva, mostre a sua raiva. É perigoso, mas não sorria, porque isso é ser falso. Mas lhe ensinaram que, quando você está com raiva, deve sorrir. Então seu sorriso torna-se falso, uma máscara – simplesmente um movimento dos lábios e nada mais. O coração está cheio de raiva, veneno, e os lábios sorrindo: você se torna um prodígio de falsidade. Então também se manifesta uma outra reação: quando você quer sorrir, não consegue sorrir. Todo seu mecanismo está de cabeça para baixo porque, quando queria ficar com raiva, você não ficava; quando queria odiar você não odiava. Então você quer amar; de repente, você descobre que o mecanismo não funciona. Então você quer sorrir, você precisa forçar o sorriso. Realmente, o seu coração é todo sorrisos e você quer dar uma boa risada, mas não consegue rir... o sorriso não sai, ou ate mesmo, se sair, será um sorriso apagado e sem graça. Ele não deixa você feliz, você não se entusiasma com ele. Você não irradia nada. Quando quiser ficar com raiva, fique com raiva.

Não há nada errado em ficar com raiva. Se quiser rir, ria. Não há nada errado em dar uma risada. Pouco a pouco você vai ver que todo seu organismo voltou a funcionar direito... não use máscaras; do contrário você vai criar disfunções no seu mecanismo, bloqueios. Existem muitos bloqueios no seu corpo. A pessoa que reprime a raiva fica com a mandíbula bloqueada. Toda a raiva vai para a mandíbula e pára ali. As mãos ficam feias; elas não têm o movimento gracioso de um bailarino, não, porque a raiva chega aos dedos e os bloqueia.

A raiva tem duas saídas para ser liberada: uma são os dentes, a outra são os dedos. Se você reprime alguma coisa, existe no seu corpo alguma parte correspondente à emoção. Se você não quer chorar, os seus olhos vão perder o brilho... porque as lágrimas são necessárias; elas são um fenômeno muito vivo. Quando uma vez ou outra você deixa as lagrimas correrem – quando você realmente chora, você chora de verdade, e as lágrimas começam a correr dos seus olhos – os seus olhos se limpam, se revigoram, recuperando a juventude e a pureza. Lembre-se: se não puder chorar sinceramente, você também não poderá rir, porque essa é a outra polaridade. As pessoas que conseguem rir também conseguem chorar; as pessoas que não conseguem chorar não conseguem rir.


E a Terceira regra sobre a autenticidade...

Permaneça sempre no MOMENTO PRESENTE, porque tanto do passado quando do futuro é de onde vêm todas as falsidades. Porque o que passou, passou; não se preocupe com isso e não carregue como um fardo; do contrário isso não vai permitir que você seja autêntico em relação ao presente. E tudo que não aconteceu ainda não aconteceu. Não se incomode desnecessariamente com o futuro, do contrário ele cairá sobre o presente e o destruirá. Seja verdadeiro em relação ao presente; então, você será autêntico. Nem passado, nem futuro – o momento é tudo. O momento é a eternidade inteira.


Siga essas três regrinhas e você vai conseguir ser sincero, verdadeiro, autêntico. Então, tudo o que você disser será verdade. Comumente, você pensa que precisa tomar cuidado para dizer a verdade; não é isso o que eu estou dizendo. Estou dizendo: crie autenticidade e tudo o que você disser será verdade.

A verdade não é uma coisa lógica. Por verdade eu quero dizer a autenticidade do ser; sem impor nada que você não seja, apenas sendo o que você é,
independentemente dos riscos, nunca se tornando um hipócrita. Se você está triste, fique triste. Esta é a verdade; não a esconda. Não exiba um sorriso falso no rosto, porque esse sorriso falso cria uma divisão em você. Quando você está com raiva e não demonstra a raiva... é porque tem medo de que essa demonstração prejudique a sua imagem, para que as pessoas pensem que você é compreensivo e digam que você nunca fica com raiva. Elas gostam disso e isso é tão gratificante para o ego. Pois ficar com raiva vai prejudicar a sua linda imagem; assim, em vez de prejudicar a imagem, você reprime a raiva. Você está fervendo por dentro, mas por fora continua compreensivo, bondoso, polido, doce. Aí acontece a divisão. As pessoas produzem essa divisão durante a vida inteira; então a divisão se torna absolutamente estabelecida.

Mesmo quando você está sentado sozinho e não há ninguém por perto, e não há necessidade de fingir, você continua fingindo; isso se tornou um hábito arraigado e automático... Então, não é uma questão de ser verdadeiro ou falso; isso acabou por se tornar um hábito...

Por verdadeiro eu quero dizer não fingir. Seja exatamente o que você é – num momento você está triste... e no momento seguinte, se você ficar feliz, não há necessidade de continuar triste – porque também lhe ensinaram a ser sempre coerente, a permanecer coerente...

Assim, não é só quando está triste que você finge sorrisos; quando você quer sorrir, também finge tristeza por causa da idéia completamente estúpida de permanecer coerente. Cada momento tem a sua característica peculiar, e nenhum momento precisa ser coerente com nenhum outro momento. Assim, não é preciso se preocupar com a coerência. Ninguém que se preocupe com a coerência vai se tornar falso porque apenas mente com coerência. A verdade está sempre mudando.

A verdade contém suas próprias contradições – e essa é a substância da verdade, essa é a sua vastidão, essa é a sua beleza. Portanto, se você está se sentindo triste, fique triste – sem nenhuma censura, sem nenhuma avaliação como sendo bom ou mau. Não se trata de ser bom ou mau; isso simplesmente acontece. E quando acontece, deixe acontecer. Quando você começar a sorrir de novo, não se sinta culpado só porque há pouco estava triste; então, como pode sorrir? Quando estiver feliz, seja feliz; não há necessidade de fingir nada. Cada momento tem uma realidade atômica: ele é descontínuo em relação ao momento anterior e não está ligado ao momento futuro.

Cada momento é atômico. Os momentos não se seguem uns aos outros em seqüência; eles não são lineares. Cada momento tem a sua própria maneira de ser e você deve ser isso, nesse momento, nada mais. É isso o que realmente é considerado como verdade.

Verdade significa autenticidade, verdade significa sinceridade. A verdade não é uma coisa lógica. Ela é um estado psicológico de ser verdadeiro – não verdadeiro de acordo com algum ideal, pois, se houver um ideal, você vai se tornar falso. O homem verdadeiro não tem ideais. Ele vive momento a momento; ele sempre vive como se sente no momento. Ele é completamente respeitoso em relação aos próprios sentimentos, às próprias emoções, aos próprios humores. E isso é o que eu quero que as pessoas sejam: autenticas, verdadeiras, sinceras, respeitosas em relação à própria alma."

Osho em Intimidade.

quinta-feira, 8 de dezembro de 2016

ACEITAÇÃO DA REALIDADE

PARA OS QUE QUEREM MUDAR O MUNDO À IMAGEM E SEMELHANÇA DE SEUS EGOS.
Considerações médicas: O que você chama de cultura é uma alucinação coletiva. Se você pudesse, acabaria com a guerra, a fome e a pobreza. Se pudesse, eliminaria os exércitos, as armas, o crime e a delinqüência. Se pudesse, protegeria a natureza e cada uma das espécies que a habitam. Se pudesse, mudaria o sistema econômico atual por outro que fomentasse a igualdade de oportunidade para todos os indivíduos. Algo me diz que a lista de coisas que você mudaria é infinita... É um gesto muito bonito de sua parte pensar assim. Lamentavelmente, você não esta aqui para mudar o mundo. A viagem da vida consiste em aprender a aceitá-la e amá-la incondicionalmente! E isso é algo que nunca lhe disseram. Não foi à toa que você nasceu em uma sociedade tão doente e arrogante, desconectada de sua dimensão espiritual por completo. Ninguém sabe nada sobre as leis que regem a ordem perfeita do universo. Você foi educado para mudar aquilo com que não concordasse. Mas o que vem chamando de cultura não é mais que uma alucinação coletiva. É a soma das distorções subjetivas que os seres humanos vêm transmitindo de geração em geração. Sua visão profunda da existência é equivocada, falsa e limitada. Por isso você se ocupa com todos os assuntos, menos os seus. A vida funciona perfeitamente sozinha; não interfira. Em nome da humanidade, por favor, pare de encher o saco!
Composição: Seja a mudança que você quer ver no mundo. Lutar contra a realidade é inútil, embora necessário para que você perceba que é inútil. O sofrimento derivado de tentar mudar o mundo lhe ensina que a única mudança necessária é a que você pode realizar em sua consciência. O melhor que pode fazer pela humanidade é ser feliz e aprender a estar em paz consigo mesmo. Pegue toda energia, o tempo e o compromisso que agora emprega para transformar o exterior e use-os para modificar seu interior. Seja você a mudança que quer ver no mundo. Aja! Mas na direção certa! Primeiro olhe para dentro. Cuide de seus próprios assuntos, Se quiser que o sistema econômico mude, mude sua maneira de ganhar dinheiro, emancipando-se do Papai Estado e da Mamãe Empresa. Se quiser preservar o meio ambiente, consuma menos, ou compre apenas produtos 100% ecológicos. Se quiser que haja mais amor na sociedade, ame ao próximo como a si mesmo. Mas ame primeiro a si mesmo! Pare de ser parte do problema. Isso é tudo. As coisas mudarão por si mesmas, a seu devido tempo e por meio das pessoas certas. Querer mudar o mundo é um déficit de aceitação, que é uma qualidade que se desenvolve quando você compreende que existe um plano pedagógico que rege a ordem do universo e que tudo que acontece é o necessário para que cada ser humano aprenda o que veio aprender.
Tratamento: Acredite que tudo é perfeito do jeito que é. Lembre-se que você não vê o mundo como ele é, e sim como você é. E que não se relaciona com os outros como eles são, e sim conforme a imagem de como deveriam ser segundo seu ponto de vista. A realidade é o grande palco no qual você se projeta diariamente. E também é o grande espelho no qual vê refletidas suas luzes e suas sombras. No momento em que transforma seus defeitos em qualidades, começa a ver a realidade como ela é, completamente neutra e necessária. Assim, todos os conflitos do mundo vão acabar no dia em que a maioria dos seres humanos resolver seus conflitos internos. Seja o primeiro a dar o exemplo. Durante três meses, aceite e ame a realidade como ela é, aceitando-se e amando-se incondicionalmente. Mas disfarce, não conte a ninguém. As pessoas vão se perturbar se ouvirem uma blasfêmia dessas. E dirão que você é uma má pessoa por ser tão frio, insensível e indiferente. Como não vão pensar assim se foram programadas para isso? Na medida do possível, corte o cordão umbilical com a sociedade. Emancipe-se do sistema dentro do sistema. Pare de ler jornais e ver as noticias na televisão. Desligue-se da “Matrix” e conecte-se à sua realidade, deixando de viver no mundo imaginário criado por sua mente e seus pensamentos. Viva o momento presente. E, esteja onde estiver, dê o melhor de si. Sempre.
Efeitos Terapêuticos: Liberte-se do sofrimento transpessoal. É impossível aceitar algo que você ainda não compreendeu. Assim como a água ferve ao atingir cem graus Celsius, quando você acumula certo grau de energia e de treinamento, aumenta seu grau de consciência e, portanto, seu nível de sabedoria sobre as leis que governam a ordem perfeita do universo. Só então é possível que você aceite o que é. Para se beneficiar dessa qualidade, precisa ter desenvolvido a evolução, a correspondência, a equanimidade, a gratidão, a confiança e a obediência. A aceitação provoca uma serie de efeitos terapêuticos (e ao mesmo tempo erradica a vontade de mudar o mundo). Ao cultivar sua inteligência transpessoal, acaba o sofrimento que você se provoca ao se relacionar com a vida.
·      Facilidade para não se perturbar cada vez que lhe falam de uma tragédia que ocorreu do outro lado do mundo;
·      Força para compreender e aceitar que mesmo as coisas que parecem mais terríveis são necessárias para quem as vive;
·      Perda de interesse em ir contra o sistema, empregando sua energia para modificar sua maneira de ganhar e gastar dinheiro;
·      Ataques temporários de lucidez, nos quais deixa que a vida se ocupe dos próprios assuntos;
·      Discernimento para saber quando esta interferindo nos assuntos da vida para não se responsabilizar pelos seus próprios;
·      Diminuição do uso de construções como “tem que”, “deve”, “precisa”, parando de se lamentar pelo estado do mundo por ele não atender à imagem mental que tem dele;
·      Frequentes episódios de "ataraxia", nos quais deixa de distorcer a realidade, detendo para sempre seu sofrimento.
(MAIS SENÊCA, MENOS PROZAC- Clay Newman,2015.)

A vida é a escola à qual vivemos para aprender a viver. Sêneca